Psicopatia Dr.Hugo Marietan

P


SEMIOLOGÍA PSIQUIÁTRICA Y PSICOPATÍA


Sitio del Dr. Hugo Marietan


htpp://
www.marietan.com    marietanweb@gmail.com

 Principal ]
Artículos ] Psicopatía ]
Esquizofrenia ]
Docencia ]
Poesías y cuentos ]
Otros Autores ]
Curso de Psicopatía ]
Semiología Psiquiátrica ]
Enlaces ]
Cartas comentadas ]
Depresión ]

Carta


El injusto


Complete
datos de la persona que se presume como psicópata
:

Edad: 42 anos

Estado civil:
solteiro, mas está vivendo em uniáo estável com uma outra
pessoa

Profesión,
estudio o trabajo que realiza:


administración

Lugar de
residencia actual, ciudad y país: Brasil

Sexo:masculino

Otro dato de
interés:

 


Datos de
quien contesta el cuestionario (imprescindibles)
:

Edad: 46 anos

Lugar de
residencia actual, ciudad y país: brasil

Profesión,
estudio o trabajo que realiza:


administración

Sexo:feminino

¿Qué relación
tiene o tuvo con esta persona?: ex  marido

¿Cuánto
duró/dura la relación?: 15 anos

¿Cómo la
conoció?:através de um amigo em comum

¿Qué le
atrajo/ atrae de esta persona?: aparentou ser uma pessoa
séria, centrada, amigável.

¿Qué es lo que
más le hacía/hace sufrir? Abandono, agressóes verbais;
acusações sem sentido; intimidaçOes, ameaça de acabar o
relacionamento; opressóes psicológicas; chantagens, etc.

 

 

A.
Satisfacción de necesidades distintas

 

A1. Uso
particular de la libertad

¿Piensa que
todo es posible? Não adiantava falar com ele. Tudo que eu
pedia, era desconsiderado. Fazia o que queria, não se
importando com os meus sentimentos, apelos, sofrimentos,
lamentaçOes, súplicas, etc.


Impedimentos: ¿Tolera las frustraciones y los fracasos?
Exigia ser atendido em tudo que pedia a mim. Eu tinha que
viver em torno dele; fazendo o que ele queria( ex:
emprestar o meu carro; emprestar dinheiro; fazer coisas
para ele; enfim. Por outro lado, eu nao pudia contar com
ele para nada. Existia sempre uma negativa. Costumava
ficar alterado( com gritos, agressóes verbais quando eu
não fazia o que ele queria. Um exemplo: eu pedia para ele
comprar um televisão comigo , ele pagando a metada e eu a
outra. Ele se recusava. Ao passo que ele fica todo
revoltado, quando eu não aceitava submeter-se aos
caprichos dele. Ele dizia “não”para tudo que eu pedisse,
nem sequer avaliava a situação. Antes de submeter-se, ou
seja, de aceitar qualquer coisa ou idéia da minha parte,
fazia um “shoW”, trazendo-me muita tristeza e frustraçCao.

 

A2.
Creación de códigos propios

¿Respeta la
ley y las normas comunes? Separei-me dele após descobrir
que ele me traia. Porém, ele não admitia qualquer
possibilidade de infidelidade da minha parte. Vivia me
vijiando e controlando os meus passos. Afastou-me de
todos.

¿Sigue su
propia ley y sus propios códigos? Fazia o que queria. Nada
adiantava pedir que ele não fizesse determinada coisa(
tipo beber até o dia amanhecer; chegar em cada de
madrugada nos finais de semanas, etc)

¿Carece de
remordimientos o de culpa? Nunca me pediu desculpas,
espontaneamente. Eu é quem exigia que ele se desculpasse.
As vezes ele pedia desculpas, porém, seguido de algum
pedido( interesse da parte dele). Nunca houve um pedido de
desculpas espontaneo. Jamais, admitiu qualquer erro ou
violência que cometesse contra mim.

¿Le echa la
culpa a los demás de sus errores?culpava-me de tudo, desde
nao ter amigos; de ser o motivo dele nao ir ao cemitério
visitar o túmulo do pai; dele nao estudar ingles; enfim.
Quando o pai dele morreu, após sairmos do cemitério, ele
se voltou para mim e disse-me que iria se separar de mim.

¿Repite
errores? Quando fazia alguma promessa, era em vão, tudo se
repetia.

 

A3.
Repetición de patrones conductuales

¿Repite de
la misma manera las acciones negativas?sim. toda semana se
embriagava e chegava em casa de madrugada. Eu insistia
para que ele nao fizesse isso. Nao adiantava.

¿Tiene algún
signo que anticipe sus conductas negativas? Era previsível.
Ele dizia que precisava daquele momento para liberar o seu
“stress”.

 

A4.
Necesidad de estímulos intensos

¿Tiene
conductas de riesgo?sim. De vez em quando, por razões
desconhecidas, ficava mal-humorado; agressivo, se isolava,
enfim

¿Se aburre
con facilidad?sim. vivia mal humorado, quase que o tempo
todo.

¿Tiene
proyectos de vida a largo plazo?nao. Nunca planejou nada
em família, quer a curto prazo, quer a longo prazo. Não
tinha planos. As vezes, tinha momentos de megalomania, do
tipo: comprar um apartamento de luxo; um carro de luxo,
tudo voltado ao materialismo e vaidade pessoal.

¿Abusa de
drogas o alcohol?sim. Sempre bebeu, e muito.

¿Tiene
conductas raras o perversas en lo sexual? Nunca demonstrou
comigo. Apenas, eu estranhava o gosto dele em assistir
filmes pornográficos e sózinho.

¿Tolera
situaciones de mucha tensión? Sim. Em episódios tristes,
do tipo a morte de um colega de forma muito violenta, ele
teve uma reaçao bastante fria. Quando do atentado as
torres gemeas e o episódio do tsunami, ele assistia as
reportagens com total frieza e indiferença. Em momento
algum, eu presenciei uma reação de dor e sofrimento pelas
pessoas que haviam morrido.

 

B.
Cosificación de otras personas

¿Es
egoísta? Sim. Tudo girava em torno dele. Nao fazia nada
por ninguém. Quando eu o conheci, no início do namoro, ele
me disse que “nao morria por ninguém”( nao entendi a frase
na época).

¿Se cree
superior a los demás? Sim. É extremamente arrogante. Adora
ser o centro da atençao. Fala o tempo todo sobre os seus
casos jurídicos, sobre a sua profissáo de Juiz de direito.

¿Todos
deben girar a su alrededor según sus deseos? Sim. Quando
eu o contrariava, a casa vinha a baixo.

¿Hace lo
que quiere sin importarle las consecuencias? Nao. Mesmo
depois de descobrir que ele estava me traindo, com uma
colega de trabalho que ele havia conhecido há pouco tempo,
ele disse-me que nao queria o fim do nosso casamento,
porém, percebi que ele nada alterou o seu comportamento no
sentido de salvar a nossa relaçao. Continou a fazer o que
queria, daí porque mandei ele embora. Ou seja, juntei tudo
que era dele e mandei entregar na casa da mae dele.

Empatía:
¿Le importa los sentimientos del otro? Nao. Por mais que
eu externasse a minha dor e sofrimento, ele se mantinha
indiferente. Nada fazia para melhor a nossa relaçao e
convivência.


¿Manipula? Sim. Vivia me ameaçando, quer de abandonar-me;
quer de fazer algo que eu nao gostasse, enfim.

¿Seduce?
Sim. Quando eu o conheci, ele me disse que daria a minha
pessoa a estabilidade emocional que eu nunca tinha tido na
vida. Foi uma forma de atrair-me, inclusive, foi logo
dizendo que queria ser o meu namorado e nao um mero caso.

¿Miente?
Descobrir algumas mentiras após a separação. Ao longo do
casamento, foi surpreendida com atitudes de deslealdade.

¿Actúa
para conseguir lo que quiere? Sim. Percebia que ele fingia
perante as pessoas , ou seja, aparentava o que nao era.
Mesmo estando brigado comigo, fazia questao de beijar-me e
segurar a minha mao na frante das pessoas, embora na
intimidade fosse frio e distante.


Coerción: ¿Usa la agresión física para conseguir sus
objetivos?sim. após a separaçao, ele teve a coragem de
usar a violência para forçar o meu filho a sair com ele, a
dormir com ele na casa dele. Em momento algum, buscou
utilizar-se de expedientes amenos para alcançar o convívio
com o filho. Trouxe até polícia `a porta da minha casa
para levar o meu filho à força.

¿Usa la
agresión psíquica para conseguir sus objetivos?sim.
ameaçou-me durante toda a nossa convivência de fazer
alguma coisa, sobretudo de abandonar-me. Após a separaçao,
continou ameaçando-me, desta feita utilizando o nosso
filho; dizendo que iria tomá-lo de mim; que iria trazer um
oficial de justiça para levá-lo à força, enfim.


Parasitismo: ¿Vive del esfuerzo de otro?sim. sempre queria
tudo nas maos, porém, nada que eu pedisse para ele fazer,
era feito de bom grado.

¿Usa a
las personas?sim. hoje percebo que ele sempre me usou.

¿Logra
distorsionar los valores y principios de los demás? Fala
mal das pessoas; nao gosta de ninguém; mesmo mesmo diante
de uma atitude errada e imoral de alguém, ele nao
manifesta a sua opiniao.

¿Es
insensible?sim. demonstrou muito insensibilidade ao longo
do casamento e mesmo após o seu término. Nao teve a menor
consideração de falar comigo a respeito de tudo que
aconteceu para o término do nosso casamento. Enquanto eu
sofria, ele estava preocupado em vir pegar uma balança de
peso para ele se pesar.

¿Es
cruel?sim. muitas vezes, disse-me palavras horríveis.
Chamou-me de imprestável por diversas vezes; acusou-me de
infidelidade; chamou-me de “coisa”, etc.

¿Humilla
y desvaloriza?  Sim. Costumava desvalorizar a minha
profissao, os meus amigos, familiares, etc.


¿Extraña, echa de menos? Nao entendi

¿Crea
tensión y agotamiento en la relación con otras
personas?sim. eu notava um certo estado de tensão nas
relações com as pessoas.

¿Crea
relaciones adictivas, dependientes?sim. queria que eu
fosse dependente dele o tempo todo.

¿Desea
agregar algo más? Ele vive me ameaçando, enviando recados
pelo meu filho. Dizendo que vai fazer isso ou aquilo. Foi
para a justiça acusando-me de querer afastá-lo do filho,
quando na verdade ele é quem o abandonou, quase que por
completo. Mesmo estando com uma outra mulher, ele nunca
disse ao filho sobre isso. Somente veio a fazer, quando
ela engravidou e ele disse que iria casar novamente. Nao
consegue olhar nos meus olhos. Descobri muitas mentiras
dele, ou seja, de que ele vivia uma vida paralela, que
vinha me traindo de há muito.ele é extremamente egoísta,
avarento, mesquinho, nao faz nada por ninguém. Sinto que é
invejoso. Até hoje, ele fica dizendo coisas para o meu
filho, como quem continua tendo inveja dos bens que possuo;
do que faço, do que adquiro, enfim. Está sempre procurando
criar problemas para mim. Eu, contdo, venho mantendo
contato zero. Nao falo com ele. Nao atendo telefonemas
dele; nao permito que ele telefone para a minha casa;
proibi a entrada dele no meu prédio, enfim. Nao tenho
qualquer aproximaçao com ele. Sofri muito diante da
agressividade que ele causou ao meu filho, querendo força-lo
a ir com ele. Até hoje, ele nao admite que o meu filho
diga que nao quer ir. Se o meu filho disser isso, ele
ameaça ir para justiça. Meu filho tem doze anos. Sinto
como que ele fosse um refém nas maos do pai. Estou
torcendo para que ele atinja uma idade maior( 13 ou 14
anos) para poder reagir, e ter apoio da justiça de nao ser
obrigado a submeter-se aos caprichos do pai. Sinto que ele
faz tudo isso para me ferir, já que ele nao pode fazer
pessoalmente, pois, meu contato com ele é zero.

 


Si desea dar su opinión o
aporte
escríbame a

consultashm@gmail.com
o
click AQUI

 



Sobre el autor

Hugo Marietan

Agregar comentario

Hugo Marietan

Nacido en Buenos Aires, en 1951

Médico, Facultad de Medicina, Universidad de Bueno Aires, 1981, MN 62757

Médico Psiquiatra, Facultad de Medicina, Universidad de Buenos Aires, 1986

Formación Docente: Egresado del Curso de Formación Docente Pedagógica en Ciencias de la Salud y Carrera Docente de la Facultad de Medicina de la Universidad de Buenos Aires

Docente Adscripto a la Carrera Docente Facultad de Medicina. de la Universidad de Buenos Aires desde junio de 1991 a la fecha.

Académico Titular de la Academia Internacional de Psicología de Brasil (2002)

Para ver el curriculum completo: https://marietan.com/curriculum/

Redes Sociales

Puedes seguirme en las redes sociales e interactuar conmigo.